quarta-feira, abril 26, 2006

No mundo das fadas - Carlos Figueiredo

No mundo das fadas
cada nome é usado uma única vez

em histórias contadas pelo vento
A luz é uma música
o mar é curvo
os olhos são espelhos
e a noite é um grito
e é dos seus gemidos
que surge a areia das praias.

No mundo das fadas
o Tempo é um luar
no bosque da memória
onde correm almas de rios
em cachoeiras-miragens
até um lago
feito da pele que vai saindo do arfar
de um coração-estrela.

No mundo das fadas
um Dia é Amor
dedos são crianças
e há uma torre
onde não há nada.

No mundo das fadas
raízes são pássaros
rostos são relâmpagos.

E se respiram lâminas
delgadas, rítmicas, fatais,
que se morre a cada instante

e a cada volta
é preciso substituir o coro.

2 comentários:

Anônimo disse...

I'm impressed with your site, very nice graphics!
»

Luar disse...

A digitação do poema No mundo das Fadas precisa ser corrigida. Como está, conduz a leitura a um ritmo que não é o correto.

Peço gentileza entrar em contato.

Carlos Figueiredo
figueiredo@globo.com